Última hora

Última hora

Estudantes alemães contra o Processo de Bolognha

Em leitura:

Estudantes alemães contra o Processo de Bolognha

Tamanho do texto Aa Aa

Os estudantes saíram à rua em várias cidades alemãs. Manifestam-se contra o Processo de Bolonha. Previsto para entrar em vigor em 2010, visa harmonizar o ensino superior em toda a União Europeia.

Os estudantes alemães queixam-se que os cursos que inicialmente eram de cinco anos foram reduzidos para três, mas os currículos não se alteraram. Resultado, os horários foram sobrecarregados. “Os horários são muito apertados, mas não temos outra alternativa. Somos obrigados a estudar o que nos põem à frente, sob grande pressão. Isto tem de mudar”, queixa-se um manifestante. “A mim não me afecta directamente”, diz outra jovem, “mas estou aqui por solidariedade para com os estudantes de licenciatura ou de mestrado, que têm grandes dificuldades para terminarem os estudos a tempo – e com pouco dinheiro. É uma catástrofe.” Uma catástrofe, sobretudo num país onde um terço dos estudantes trabalha para financiar os estudos. Os novos horários sobrecarregados impedem-nos de ter uma actividade paralela. Para fazer face às exigência do mercado, o Processo de Bolonha visa acelerar a formação, com a licenciatura a ser obtida em apenas três anos, por exemplo. Uma medida que não agrada, num pais onde, por norma, a faculdade se termina por volta dos 28 ou 29 anos. Desde a semana passada que os estudantes alemães se manifestam contra a reforma, nomeadamente ocupando as universidades.