Última hora

Última hora

Obama e Hu Jintao apostam no consenso em Pequim

Em leitura:

Obama e Hu Jintao apostam no consenso em Pequim

Tamanho do texto Aa Aa

Barack Obama encontrou-se em Pequim com Hu Jintao para um delicado “jogo diplomático” entre a primeira e a terceira economia mundial.

Antes da reunião com o homólogo chinês, o presidente norte-americano teve direito a uma cerimónia de recepção no Palácio do Povo, na Praça de Tiananmen. Ambos os líderes preferiram deixar de lado divergências. Obama falou na aposta numa “relação positiva e de cooperação” e Hu Jintao sublinhou o acordo para rejeitar o proteccionismo e resolver os diferendos comerciais. O presidente chinês frisou a “importância do diálogo estratégico e económico na melhoria da cooperação e confiança” entre as duas potências. Obama fez uma breve alusão aos direitos humanos, um dos assuntos complicados da primeira visita à China, para defender as minorias e apelar à retoma do diálogo a respeito do Tibete. As alterações climáticas também estiveram na ordem do dia e, segundo o presidente norte-americano, “foram feitos progressos”. Obama sublinhou que “não pode haver solução para este desafio sem os esforços da China e dos Estados Unidos”, que são “os dois maiores consumidores e produtores de energia”. O chefe de Estado disse ainda que os dois países obtiveram nomeadamente “acordos acerca de eficiência energética e energias renováveis”. Obama e Hu Jintao também quiseram mostrar consenso acerca dos programas nucleares norte-coreano e iraniano. Pyonyang deve voltar às negociações a Seis – interrompidas em Abril – e Teerão deve demonstrar que o seu programa é pacífico e transparente.