Última hora

Última hora

Ranking de corrupção aponta o dedo aos países em guerra

Em leitura:

Ranking de corrupção aponta o dedo aos países em guerra

Tamanho do texto Aa Aa

O Afeganistão é o segundo país mais corrupto numa lista de 180 nações. A espiral de violência talibã e a instabilidade política explicam o penúltimo lugar no ranking anual sobre a percepção da corrupção.

A lista foi divulgada hoje, em Berlim, pela organização não-governamental “Transparency International”. “Vemos claramente que no fim da lista estão os países mais marcados pelas guerras e pelos conflitos longos, onde há falta de estabilidade e de ordem. É aí que floresce a corrupção”, explicou Sylvia Schenk, da “Transparency International”. Também na cauda do ranking, estão a Birmânia, o Sudão, o Iraque e, em último, a Somália. Entre os países europeus, os piores classificados são a Roménia, a Grécia, a Bulgária, a Itália e a Eslováquia. O índice classifica cada país numa escala de zero a dez, com zero a indicar os maiores níveis de corrupção. Portugal tem nota positiva (5,8), ocupando a posição número 35, entre os 180 países avaliados. Mas cai três lugares, num ano marcado pelos casos Freeport e Face Oculta. Os cinco países melhor colocados são a Nova Zelândia, Dinamarca, Singapura, Suécia e Suíça. Apesar do quinto lugar da Suíça, a “Transparency International” alerta para os perigos do segredo bancário, que pode permitir dissimular transferências de dinheiro sujo. A organização, que publica o relatório há catorze anos, sublinha que nenhuma região do mundo é imune aos perigos da corrupção na administração pública. Mais de metade dos países avaliados tem nota negativa.