Última hora

Última hora

Austália no podium da poluição per capita

Em leitura:

Austália no podium da poluição per capita

Tamanho do texto Aa Aa

Se o mundo ainda precisasse de sinais de alarme, a seguir à tempestade de areia em Sidney, Austrália, deixou de precisar. Foi em Setembro passado e tingiu o céu completamente.

Um mês depois, em Outubro, os incêndios arrazaram a cidade de Mont Archer, em Queensland. O estado de emergência foi desencadeado para tentar evitar a catástrofe de Fevereiro de 2009, que fez 173 mortos. Os fogos de floresta têm sido frequentes, na Austrália devido â seca dos últimos sete anos. Os terrenos ficaram estéreis e os agricultores tiveram de vender o gado e 10 mil abandonaram o campo. A seca, conhecida como “Big dry”, custou mais de 12 mil milhões de euros â economia australiana. A agricultora Lesley Fischer lembra: “Havia aqui água com uma altura de metro e meio, não dava para passar de moto 4, isto é ridículo. Quero dizer, ninguém se importa.” Os lagos retraíram-se em consequência da maior seca do século, provavelmente a mais grave desde a chegada dos europeus à Austrália, em 1788. Kevin Rudd, o primeiro ministro, eleito em Novembro de 2007,fez do combate pelo clima uma prioridade. Em 2008, assinou a ratificação australiana do Protocolo de Quioto. No ano passado, a Austrália emitiu 553 milhões de toneladas de gás com efeito de estufa, ou seja, 1,5 por cento das emissões mundiais. Mas com 28,6 toneladas por habitante, cinco vezes mais do que a China, a Austrália é o primeiro poluidor mundial per capita. Uma das causas é a dependência do carvão. Não só a Austrália é o primeiro exportador mundial de carvão como utiliza esta energia fóssil para produzir 84 por cento da própria electricidade. Para resolver o problema, o governo do partido trabalhista aposta numa redução das emissões de CO2 de 5 a 25 por cento até 2020, pelos dados do ano 2000. Não contava com a oposição conservadora, que fez chumbar o projecto de lei, obrigando os poluidores a comprar quotas de emissão de CO2. Um fracasso que deixa os ecologistas frustrados, pois esperavam mais, e suscita interrogações sobre a posição da Austrália na Cimeira de Copenhaga .