Última hora

Última hora

Cimeira do Clima aproxima-se da recta final de "respiração suspensa"

Em leitura:

Cimeira do Clima aproxima-se da recta final de "respiração suspensa"

Tamanho do texto Aa Aa

A Cimeira do Clima da ONU, em Copenhaga, aproxima-se do dia “D”. Os projectos de acordo mundial circulam e a vontade de levar as negociações a bom porto é manifestada abertamente.

Desta forma se dirigiu aos delegados e presentes o primeiro-ministro dinamarquês: “O mundo está de olhos em nós. Literalmente de respiração suspensa. Apenas temos até ao final desta semana.”

Sexta-feira chega a vez de mais de 100 chefes de estado e de governo marcarem presença para encerrar o evento, mas até lá as negociações na especialidade e entre ministros prosseguem

Muitas indicações apontam para um projecto consensual saído de Copenhaga que estipula o aquecimento global entre um grau e meio ou dois graus celsius.

Mas os olhos estão postos nos Estados Unidos e na China, que representam, juntos, metade das emissões mundiais de gases com efeito de estufa.

O negociador norte-americano, Todd Stern, indica que o seu país r“econhece o papel histórico nas emissões de gases com efeito de estufa e reconhece a sua quota-parte de responsabilidade no esforço global para ajudar os países mais pobres. Mas falar em compensações implica um sentido de culpa, ou algo do género, que não me parece ser a forma correcta de encarar o problema.”

O presidente norte-americano Barack Obama propôs reduzir até 2020 as emissões de gases com efeito de estufa em 17 por cento em relação ao 2005. Mas esse valor corresponde uma diminuição de cerca de quatro por cento em relação aos valores de 1990.

Muitos não estão satisfeitos com esta proposta, embora os Estados Unidos se defendam indicando que o crescimento de emissões de gases dentro de 20 anos virá dos países em vias de desenvolvimento.

À porta do Bela Centre as fila não parecem acabar. A organização distribui bebidas quentes para apaziguar os ânimos, mas os dedos estão apontados para o facto de a organização ter aceitado a inscrição de mais de 40 mil pessoas sabendo que o centro de convenções apenas pode receber 20 mil de cada vez.