Última hora

Última hora

Corte de árvores: tema quente em Copenhaga

Em leitura:

Corte de árvores: tema quente em Copenhaga

Tamanho do texto Aa Aa

As florestas e a relação que têm com as emissões de dióxido de carbono estão no centro do debate em Copenhaga. A exploração florestal não foi incluida no Protocolo de Quioto, deixando um vazio legal que esconde as emissões de CO2. A desflorestação é responsável por 20 a 25 por cento das emissões.

É um assunto sensível porque pode representar uma diminuição de facto nos objectivos de redução de emissões defendido pela UE.

O especialista europeu Matthias Duwe (Climate Action Network Europe, Director) explica:

Os países industrializados, sobre quem recai a responsabilidade histórica de reduzir as emissões, já estão a tentar passar de lado e manipular os dados sobre as florestas, e são muitos países a fazê-lo, como a Austrália e a Rússia, mas também na União Europeia, a Finlândia, a Áustria e a Suécia”.

A inclusão ou não da desflorestação num acordo está a dividir os países e não apenas os do norte ou do sul.

Dale Marshall, de uma ONG canadiana (David Suzuki Foundation, Canada) faz o ponto da situação:

“Há uma verdadeira diferença de pontos de vista na União Europeia a propósito desta lacuna jurídica. Por um lado, países como a França querem uma transparência completa. Por outro, países como a Suécia, a Finlândia ou a Áustria fazem o possível para nada mudar

Uma outra fonte de controvérsia é se as plantações em terras onde havia florestas virgens devem ou não dar direito a compensações em termo de carbono.