Última hora

Última hora

Reforma da saúde de Obama na recta final

Em leitura:

Reforma da saúde de Obama na recta final

Tamanho do texto Aa Aa

O voto final do senado sobre a reforma da Saúde nos Estados Unidos está marcado para a véspera de Natal.

A nova lei visa facilitar o acesso a cuidados médicos aos mais de trinta milhões de norte-americanos que não têm seguro.

O presidente dos Estados Unidos considerou este sábado que “o povo americano vai ter o voto que merece sobre uma reforma do sistema de saúde que dá segurança a quem já tem seguro e protecção a preços módicos para quem não tem”.

Barack Obama agradeceu ao senador Harry Reid e a todos os senadores por terem trabalhado intensamente para que a reforma seja aprovada rapidamente.

Para conseguir aprovar a nova legislação, Obama precisou do voto de dois senadores independentes.

O senador Ben Nelson, do Nebrasca, só deu luz verde à lei depois de ter obtido garantias de que os fundos federais não seriam usados para financiar a interrupção voluntária da gravidez.

A nova legislação proíbe que as seguradoras recusem a subscrição de um seguro a quem já tenha problemas de saúde. Mas não prevê a criação de um sistema de saúde público como pretendia Barack Obama.

Os republicanos votaram contra a reforma e alegam que a nova lei vai aumentar os prémios dos seguros e custar caro ao Estado.