Última hora

Última hora

Aniversário do movimento palestiniano Fatah

Em leitura:

Aniversário do movimento palestiniano Fatah

Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro de Janeiro marca o aniversário da fundação oficial do Fatah. Mas o movimento palestiniano actual é muito diferente da organização política e militar fundada por Yasser Arafat, no fim dos anos 50 no Kuwait.

O nome Fatah significa vitória, em árabe e, no início, tinha como objectivo libertar todo o território palestiniano da entidade sionista”. Foi, aliás, no primeiro dia do ano de 1965 que o Fatah desencadeou a luta armada contra o Estado de Israel.

Depois da Guerra dos Seis Dias, o movimento adquiriu uma enorme importância. A ocupação militar israelita da Faixa de Gaza e da Cisjordânia, a seguir à derrota árabe, reforçou o papel da guerrilha palestiniana.

Aderiram cerca de mil voluntários dos campos de refugiados e da diáspora. Os comandos de combatentes multiplicaram os ataques contra Israel.

Em 1970, o Fatah foi ultrapassado pelos grupos radicais da Organização de Libertação da palestina, OLP.

Depois do assassínio de 11 atletas israelitas durante os Jogos Olímpicos de 1972. o Fatah e a OLP reorientaram a política para o reconhecimento internacional da causa palestiniana.

No início dos Anos 80, o Fatah passou por uma grande crise interna na sequência da invasão israelita do Líbano. Por fim , a política do diálogo de Arafat prevaleceu e o movimento consolidou a posição no seio da OLP, onde o Fatah passou a deter os mais importantes cargos.

A seguir deu-se a primeira Intifada, em 1987, até aos Acordos de Oslo, em 1993, que estabeleceu o reconhecimento mútuo entre israelitas e palestinianos.

Em 1996, já com a Autoridade Palestiniana, o Fatah tentou incarnar toda a organização, com o líder histórico na presidência.

Com a segunda Intifada, em Setembro de 2000, o Fatah recuou e foi o Hamas que ganhou terreno.

Depois da morte de Arafat, o Hamas tornou-se um sério adversário do Fatah.

Ganhou as eleição palestinianas de 2006. O Fatah perdeu o poder.

A derrota acabou com a velha guarda, acusada pela nova geração de não lutar contra a corrupção que gangrena a economia palestiniana.

Em Agosto de 2009, o Fatah, reunido em congresso, renovou os quadros, mas Mahmoud Abbas foi reeleito para a direcção do partido. Foi a vitória da linha política do processo de negociações com os israelitas, do compromisso com o Hamas e Israel que os Estados Unidos apreciam.