Última hora

Última hora

Crise na Islândia penhora com veto ao plano Icesave

Em leitura:

Crise na Islândia penhora com veto ao plano Icesave

Tamanho do texto Aa Aa

A recuperação económica da Islândia está ameaçada pela crise Icesave. O governo reuniu-se de urgência, ontem, com o patronato e os sindicatos, para estudarem as consequências da crise no pacto de estabilidade assinado com os parceiros sociais.

O pacto estabelece a moderação salarial e a criação de empregos no sector público, mas depende do afluxo de capitais estrangeiros, que agora está ameaçado.

A Islândia aguarda um empréstimo internacional de 1,8 mil milhões de euros, mas a agência de notação financeira Fitch reviu em baixa o ‘rating’ do país. Uma das consequências da recusa do presidente islandês de assinar a lei do reembolso da dívida Icesave.

A primeira-ministra, Johanna Sigurdardottir, explicou que a declaração do FMI relativa ao plano económico de Novembro de 2008 estabeleceu que a dívida Icesave seria resolvida. Esta declaração era a condição de base para um crédito do FMI e dos países nórdicos. Sem o empréstimo, o plano económico cai na incerteza”.

No dia 30 de Dezembro, o parlamento islandês votou uma emenda constitucional para pagar aos governos britânico e holandês, que reembolsaram as poupanças de milhares de investidores no banco on-line Icesave, quando faliu, no Outono de 2008.

O acordo sobre a recuperação Icesave prevê um reembolso de 3,8 mil milhões de euros, o que representa 40 por cento do PIB islandês, ou seja, 12.524 euros por cidadão.

Ninguém contou com a oposição de parte da população islandesa. Quase um quarto dos 240 mil eleitores assinaram uma petição para o veto presidencial e para a convocação de um referendo.

Olafur Grimsson não assinou:

“O Reino Unido e a Holanda têm democracias das mais antigas na Europa. Assim, devem ter um respeito profundo pelo direito democrático de uma nação, nomeadamente pelos referendos nacionais que, aliás, foram organizados na Holanda e noutros países europeus”.

O referendo é apenas a 20 de Fevereiro e a restauração económica da Islândia depende do resultado. O voto negativo pode afectar a adesão da Islândia à União Europeia.