Última hora

Última hora

Separatismo islâmico violento no Cáucaso do Norte

Em leitura:

Separatismo islâmico violento no Cáucaso do Norte

Separatismo islâmico violento no Cáucaso do Norte
Tamanho do texto Aa Aa

Um bombista suicida fez explodir uma viatura em pleno centro de Makhatchkala, capital do Daguestão. Sete polícias morreram e cerca de 20 pessoas ficaram feridas.
A violência aumenta nesta república do Cáucaso do norte, onde os atentados com carros armadilhados têm sido o meio privilegiado pelos terroristas para fomentar a guerrilha.

Nos últimos dois meses houve 50 atentados.

A guerrilha separatista islâmica intensificou-se em 2009, com a contribuição da luta entre clãs, a pobreza e a corrupção. Teve origem nas duas guerras da Chechénia, nos anos 90 e 2000.

Foi, aliás, no Daguestão, país das montanhas, que a segunda guerra começou, em 99.

Os fundamentalistas, liderados por Chamil Bassaiev, desencadearam a insurreição. A guerra prolongou-se por 10 anos mas as forças russas provocaram a retirada dos separatistas. Oficialmente, a 16 de Abril de 2009. Por trás da falsa tranquilidade, as mortes violentas contam-se às centenas. Oficialmente, 160.

Os focos de insurreição multiplicaram-se pelas repúblicas vizinhas, como a Ingushétia e a Ossétia do Norte. A causa derivou para a reivindicação de um estado islâmico que reúna todos os povos muçulmanos da Rússia.

O Kremlin contra-ataca: em Junho passado, depois do assassínio do ministro do Interior do Daguestão, o presidente Dimitri Medvedev adoptou a retórica do antecessor, Vladimir Putin, e passou a defender a liquidação “da escumalha terrorista”.

Mais tarde, admitiu que a pobreza e falta de perspectivas contribuem para que os jovens defendam a rebelião islâmica. Moscovo, que eliminou a maioria dos líderes chechenos, não se deixa intimidar por esta nova geração. Há muito petróleo em jogo.