Última hora

Última hora

Haiti: Leogane, epicentro da tragédia

Em leitura:

Haiti: Leogane, epicentro da tragédia

Tamanho do texto Aa Aa

Foi aqui que tudo começou. A partir da localidade de Leogane, epicentro do sismo, a tragédia tomou proporções avassaladoras e os escombros são testemunha disso.

Estima-se que, só aqui, 10 mil pessoas tenham perdido a vida. Entre eles, crianças, que como em qualquer outro dia, se encontravam nas salas de aula.

“Nesta escola, Santa Rosa de Lima, em Leogane, saíram das ruínas 60 cadáveres de crianças. As equipas de resgate não puderam fazer nada. Leogane situa-se 15 quilómetros a sudeste de Port-au-Prince e aqui o terremoto foi verdadeiramente uma catástrofe. 90% da cidade, segundo os dados que temos, foi afectada. Nestas ruínas encontrámos papéis que pertenciam aos alunos. Crianças adoptadas, de certa forma, pelas religiosas que geriam a escola”, informa o correspondente da euronews no Haiti, Luís Carballo.

Philippe Boliar é um sobrevivente do sismo. A casa onde morava ficou totalmente destruída, mas para ele esse não é o maior problema:

“O pior não é a destruição da casa. O pior seria estar debaixo dos escombros aqui ou na escola que visitámos antes. Passei a noite a tentar salvar quem aí estava. Talvez tenhamos conseguido retirar três crianças com vida dos escombros. O pior sentimento é a impotência perante o grito de uma criança que pede socorro durante horas e nós, de mãos atadas. Não podíamos fazer nada.”

Uma semana depois do sismo, o Haiti sofre também com a falta de combustível. Milhares de pessoas fazem filas nas estações de serviço. Os preços subiram em flecha e foi instaurado um sistema de racionamento.

Apesar da ajuda humanitária ainda não ter chegado a Leogane, os habitantes tentam refazer as vidas, nos pequenos gestos do dia-a-dia.

O desejo de reconstrução une quem perdeu tudo. Os vizinhos tomam nas mãos tijolos e cimento para por de pé tectos improvisados.