Última hora

Última hora

Nicole Bacharan, analista: "Barack Obama é um presidente em apuros"

Em leitura:

Nicole Bacharan, analista: "Barack Obama é um presidente em apuros"

Tamanho do texto Aa Aa

Nicole Bacharan, historiadora e especialista nos Estados Unidos, respondeu às questões da Euronews.

Fabien Farge, euronews: “Barack Obama fez o seu primeiro discurso sobre o estado da União, um momento alto para um presidente norte-americano. Obama concentrou-se sobre a economia e, em particular, o emprego, será esta a sua prioridade para 2010?”

Nicole Bacharan, analista política: “Sim, é um presidente em apuros que acaba de fazer o seu primeiro discurso sobre o estado da União. O ambiente que se sente agora é totalmente diferente daquele que reinava aquando da campanha eleitoral e da sua chegada ao poder. A prioridade é de facto o emprego. Será pelo seu desempenho nesta área que será julgado. Mais de 10% dos norte-americanos estão desempregados. Ele disse que os seus programas de relançamento económico salvaram mais de um milhão de empregos. Ele afirma que os investimentos públicos, em particular, nas infraestruturas, no sector da energia criarão empregos, juntamente com incentivos fiscais às pequenas e grandes empresas a fim de aumentarem a produção e empregarem mais pessoas.

Fabien Farge, euronews: “Precisamente, o presidente norte-americano falou muito sobre o emprego mas também atacou os bancos e uma parte de Wall Street. Porque é que ele fez isso? Porquê regressar à ofensiva contra a banca?”

Nicole Bacharan, analista política: “Trata-se da vontade de regular o sector mas não é só Obama que o faz. Assistimos ao mesmo movimento na Europa, corresponde à vontade de mostrar que está próximo do povo. Mostra a sua preocupação para com aqueles que de um lado perderam os seus empregos e têm uma vida muito difícil e, do outro, todos aqueles que prosperam graças aos fundos públicos. Isso não é aceitável. Isso foi também um dos sinais de descontentamento dos eleitores na eleição de Massachussets na qual os democratas foram derrotados.”

Fabien Farge, euronews: “Última questão, Barack Obama concentrou-se sobre a política interna mas falou também sobre a política externa dos Estados Unidos e o combate contra o terrorismo, sem esquecer o Iraque.”

Nicole Bacharan, analista política: “É normal porque se trata de um presidente norte-americano eleito para se ocupar dos problemas norte-americanos. É daí que vem a importância da economia e o menor lugar reservado para a política externa. No fim de contas, ele sabe onde estão as prioridades dos eleitores. Ao mesmo tempo ele não se esquece que é comandante-chefe de um país em guerra, envolvido em dois conflitos. O projecto de se retirar aos poucos do Iraque, ele já mostrou que está em vias de ser alcançado. Para além disso, Obama recordou o maior investimento no Afeganistão, os sucessos contra a Al-Qaida, um maior envolvimento no Paquistão, no Iémen, na Somália. Seja como for não é um presidente pacifista.”