Última hora

Última hora

Repensar o capitalismo em Davos

Em leitura:

Repensar o capitalismo em Davos

Tamanho do texto Aa Aa

Para previnir uma nova crise financeira, é preciso determinar as causas. A especulação financeira é apontada. A bolha financeira explodiu nos mercados de acções. Para remediar o problema, os Estados tiveram que se endividar, o que transportou o problema para outra esfera: o mercado das obrigações.

“A pior bolha que existe agora não vem do mercado de acções, ou seja, das bolsas, mas sim dos mercados de obrigações, da enorme dívida pública que se criou em todos os países do mundo, a começar pelos Estados Unidos e passando por todos os países europeus. Essa dívida pode acabar por criar problemas económicos sérios, como sempre aconteceu”, diz Xavier Sala, professor na Universidade de Columbia.

O Fórum Económico Mundial, a decorrer em Davos, na Suíça, tem vindo a ser acusado de promover uma visão exclusivamente capitalista do mundo, mas a recessão parece ter alterado a percepção dos principais actores da economia mundial.

Presente no fórum, a euronews deu a palavra a Ben Verwaayen, presidente do grupo Alcatel-Lucent: “É claro que o capitalismo tem sido uma forma de promover iniciativas e fazer as pessoas dar o melhor delas, mas, de uma forma colectiva, não tem sido suficiente para devolver à sociedade aquilo de que ela precisa, em termos de soluções. Por isso é preciso repensar”.

Para restaurar a confiança e lutar contra a especulação, a ideia em voga é fazer uma reforma do sistema bancário e instituir uma regulamentação do sector a nível global.

O presidente norte-americano Barack Obama anunciou medidas para impedir a promiscuidade entre os bancos comerciais e os fundos especulativos. Resta saber se o exemplo vai ser seguido.