Última hora

Última hora

Distribuição de alimentos é problema no Haiti

Em leitura:

Distribuição de alimentos é problema no Haiti

Tamanho do texto Aa Aa

Centenas de pessoas envolveram-se em distúrbios esta quinta-feira no exterior de um centro de distribuição alimentar gerido pelas autoridades no local do antigo Ministério da Cultura.

A fim de evitar o pior, os funcionários viram-se forçados a abrirem as portas.

Várias pessoas caíram ao chão arriscando serem espezinhadas pela multidão que se precipitou em direcção aos camiões.

Cenas idênticas tiveram lugar em Cité Soleil, um dos piores bairros degradados da capital, Port-au-Prince.

Forças de manutenção de paz das Nações Unidas dispararam tiros para o ar a fim de controlarem uma multidão que aguardava a distribuição de alimentos.

Apesar de todos os esforços, o auxílio e a distribuição alimentar continua a enfrentar sérios desafios no país.

Cerca de 1 milhão de pessoas não têm abrigo. Estima-se que o terramoto tenha causado cerca de 200 mil mortos.

Mesmo assim, há sinais de que a vida regressa à normalidade. Uma fábrica têxtil reabriu as portas. Cerca de metade dos 1300 trabalhadores regressaram ao trabalho.

“Nós somos os sobreviventes. É bom trabalhar. É um passo positivo regressar ao trabalho. Precisamos de subsistir economicamente. Mesmo se ainda estamos a lamentar os nossos mortos”, afirmou Moran Ceremia, funcionário têxtil.

A indústria têxtil emprega no Haiti cerca de 10% da população activa e corresponde a cerca de 90% das exportações do país.