Última hora

Última hora

Médico de Michael Jackson acusado de homicídio involuntário do cantor

Em leitura:

Médico de Michael Jackson acusado de homicídio involuntário do cantor

Tamanho do texto Aa Aa

O antigo médico de Michael Jackson foi formalmente acusado de homicídio involuntário, na sequência da investigação à morte, em Junho, do chamado “rei da Pop”.

Conrad Murray incorre numa pena de até 4 anos de prisão por ter administrado um potente anestésico ao cantor na noite em que este foi encontrado sem vida.

O procurador do tribunal de Los Angeles considera que Murray agiu, “ilegalmente e sem tomar as devidas precauções”, embora considere que o médico, “não tinha a intenção de matar o cantor”.

O relatório da autópsia a Jackson apontava como causa da morte uma sobredose de vários sedativos, analgésicos e anestésicos.

Murray, que pagou uma fiança de 25 mil dólares para aguardar o julgamento em liberdade, afirma que agiu a pedido de Jackson.

O autor de sucessos como “Thriller” teria o hábito de recorrer a potentes anestésicos como sedativo.

Algumas fontes junto da investigação sublinham que Murray teria sido recrutado pelo cantor por ser mais permissivo com este tipo de medicamentos utilizados apenas em intervenções cirúrgicas.