Última hora

Última hora

Aniversário da revolução islâmica iraniana

Em leitura:

Aniversário da revolução islâmica iraniana

Tamanho do texto Aa Aa

11 de Fevereiro de 1979: o ayatollah Khomeini saudou a imensa multidão que o aclamava. Era dia 11 de Fevereiro de 1979, dia em que o Irão enterrou 2500 anos de monarquia e inaugurou a nova era da república islâmica.

Os líderes islâmicos, entre os quais Khomeini era o mais popular, aproveitaram-se da revolta popular para encabeçar o movimento de protesto contra o Xá Reza Pahlevi. O Xá tinha partido para o exílio a 16 de Janeiro de 79, deixando atrás um governo fragilizado, incapaz de conter as manifestações.

Jafar Najafian, hoje com 55 anos de idade e taxista, contribuiu para a queda do Xá:

“Na época, a maioria das pessoas ia para a rua todos os dias, ninguém ficava em casa. Jovens, velhos, mulheres e homens iam manifestar-se….”

Khomeini afirmou perante a multidão em Fevereiro desse ano:

“Nomeio o governo com o apoio do povo .”

O ayatollah tinha regressado no primeiro dia de Feveiro de um exílio de 15 anos. galvanizou o descontentamento popular contra o regime autoritário e pró-ocidental do Xá.

Personagem chave da revolução islâmica, foi fotografado por Sobhan Gholi Kohanbani, hoje reformado. O fotógrafo iraniano evoca as reivindicações na época:

“Os iranianos queriam liberdade, conforto e segurança. Também queriam melhorar as condições de vida. Mas acima de tudo, queriam acabar com o regime de monarquia. Já não gostavam”.

Depois do antigo regime imperial deposto, insrtalou-se a teocracia: a influência ocidental foi banida, as mulheres passaram a ser obrigadas a usar o shador. Em Dezembro de 1979, o ayatollah Khomenei foi confirmado Líder Supremo da Revolução por referendo.