Última hora

Última hora

Comboios belgas ainda estão a instalar sistema automático de bloqueio

Em leitura:

Comboios belgas ainda estão a instalar sistema automático de bloqueio

Tamanho do texto Aa Aa

Erro humano, falha técnica ou ambos? O que causou o acidente ferroviário na Bélgica?

Um dos comboios não estava equipado com o famoso sistema de bloqueio automático para o imobilizar automaticamente no sinal vermelho.

O que não explica que o maquinista não tenha parado manualmente.
A investigação vai apurar responsabilidades. Entretanto, a SNCB previu instalar esse sistema automático em todos os comboios entre 2006 e 2013. Falta equipar dois terços do total…

Os ferroviários, que entraram em greve esta terça-feira, culpam a SNCB, caminhos de ferro da Bélgica, responsável pelo equipamento dos comboios. Denunciam a falta de segurança em geral e os horários de trabalho muito pesados.

“O que é importante é parar quando o sinal está vermelho. E se, infelizmente, como somos humanos, tivermos uma lacuna na vigilância, o comboio tem de parar quando o sinal está vermelho. Acho que estão a instalar, mesmo que tardiamente… estão a fazê-lo.”

Um atraso que a presidente da SNCB imputou à harmonização das normas europeias, que causou a indecisão na Bélgica. Esta justificação foi considerada inaceitável pela Comissão Europeia. Mas a porta-voz da SNCB, Anne Woygnet, insiste:

“Havia vários sistemas de segurança que coexistiam para a inter-operacionalidade, era preciso fazer uma escolha e a Bélgica escolheu o sistema mais eficiente tecnologicamente. O que fez atrasar foi a espera da homologação. Um sistema tão avançado demora tempo… Evidentemente, para que o sistema seja eficaz é preciso instalá-lo nos ramais e no chão, a bordo dos comboios…na verdade está a ser instalado.”

A verdade é que, na última década, os passageiros não viram melhorias no transporte ferroviário. Em 2001, um outro acidente custou a vida a oito pessoas. A razão também foi a passagem ao sinal vermelho. Mas o desrespeito do sinal foi causado por um problema de língua: um maquinista só falava francês e o outro… flamengo. Foi então que a Bélgica decidiu equipar-se com o sistema automático de urgência.