Última hora

Última hora

O maior sismo dos últimos 100 anos

Em leitura:

O maior sismo dos últimos 100 anos

Tamanho do texto Aa Aa

Em cem anos, nunca se viu coisa assim, um sismo de magnitude 8.8, na escala de Risther que matou mais de 300 pessoas e acabou por afectar mais de um milhão e 200 mil pessoas.

A zona mais afectada foi a cidade de Concepcion, a 500 quilómetros da capital. Mas Santiago do Chile ficou também com um aspecto desolador.

Aos chilenos, parece não sobrar alternativa, que não seja o conforto que trocam entre si.

Um sismo que fez crescer as suspeitas de um tsunami, dos dois lados do Pacífico.

Os hospitaios esgotaram as suas capacidades, tal foi a afluência de feridos.

Os que sobreviveram, ficam com uma história para contar:

“Eu estava a tentar fugir, quando um quadro caiu da parede, bateu-me nas costas e caí. Arrastei-me e escondi-me debaixo da cama. Depois consegui sair por um pequeno buraco, entre os destroços, e uns trabalhadores viram-me e ajudaram-se a escapar”, recorda uma mulher.

O Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial já abriram duas linhas de financiamento, para a ajuda à reconstrução, cada uma, no montante de 100 milhões de dólares.

O líder do FMI, o francês Dominique Strauss-Kahn, disse que o Chile tem tido políticas económicas muito sensatas e isso vai ajudar o pais a recuperar.

Falou mesmo da possibilidade de um “plano Marshall”.

Até lá, persiste o espectáculo de desolação.

Carros debaixo de prédios, gente sem abrigo e famílias cobertas pelo luto.