Última hora

Última hora

Sarkozy espera que "se tirem lições" da catástrofe

Em leitura:

Sarkozy espera que "se tirem lições" da catástrofe

Tamanho do texto Aa Aa

Aiguillon-sur-Mer foi uma das localidades mais fustigadas pela tempestade Xynthia. Só aqui morreram pelo menos 25 pessoas, num total de meia centena de vítimas mortais em França.

Os bombeiros continuam as operações de socorro em áreas onde há casas submersas e onde não se sabe se são residências de férias ou casas principais.

As águas galgaram a costa, engoliram diques e surpreenderam os habitantes durante o sono. Muitos tentaram fugir pelos telhados ou refugiar-se nos sótãos.

“Conseguimos destruir o tecto e abrigar-nos no sótão”, conta um dos desalojados. “Éramos quatro e esperámos pela ajuda do dia seguinte, na esperança de que o mar não subisse ainda mais porque parecia continuar a subir.”

Nicolas Sarkozy anunciou que vai desbloquear três milhões de euros para responder às necessidades imediatas.

Hoje, o presidente sobrevoou algumas das zonas mais afectadas, nos departamentos de Vendée e de Charente-Maritime. Na localidade de Aiguillon- sur-Mer, um dique de oito quilómetros não resistiu à força do mar.

O chefe de Estado francês anunciou um plano para reforçar os diques e disse esperar que “se tirem lições” da catástrofe até ao Verão, numa altura em que se questiona a construção em zonas inundáveis.

Esta terça-feira será declarado o estado de catástrofe natural, para facilitar o pedido de indemnizações às seguradoras.

O secretário de Estado para os Assuntos Europeus esteve, esta segunda-feira, em Bruxelas e pediu a activação do fundo de solidariedade da União Europeia.