Última hora

Última hora

Turquia: Erdogan promete casas anti-sísmicas

Em leitura:

Turquia: Erdogan promete casas anti-sísmicas

Tamanho do texto Aa Aa

As casas desabaram como um baralho de cartas, na aldeia de Okçular. Esta é uma das seis que foram devastadas pelo sismo da madrugada de segunda-feira na Turquia.

51 pessoas morreram, mas os especialistas advertem que muitas mortes teriam sido evitadas se as casas fossem menos rudimentares. Apesar dos frequentes sismos, as paredes são feitas de tijolo de lama. O primeiro-ministro promete construir casas anti-sísmicas na região.

Uma mulher recorda o que viveu: “Tudo começou a tremer. Saí e a casa desabou, quase nem vi. Depois, tentei salvar os nossos três filhos dos escombros – dois meninos com 11 e 8 anos e uma menina com 5 – mas já estavam mortos.”

O sismo de magnitude 6.0 na escala de Richter fez tremer toda a região de Elazig, no leste da Turquia, a 750 km de Ancara. Mais de cem réplicas foram sentidas esta segunda-feira. Por isso, o governo pediu às pessoas para não regressarem às casas.

A primeira noite depois do abalo foi passada ao relento ou dentro de tendas, numa região montanhosa e com baixas temperaturas. Abrigada numa tenda, uma mulher conta: “Estava muito frio e havia muita gente – crianças, idosos e doentes. Estava mesmo frio, estávamos a congelar. Agradeço às autoridades pelas tendas, cobertores e comida.”

Os especialistas preferem prevenir do que remediar. Dizem que a Turquia não aprendeu com os sismos do passado e que milhões de edifícios devem ser reabilitados. Em 1999, 18 mil pessoas perderam a vida em dois terramotos que devastaram o noroeste da Turquia. Os sismólogos alertam para um abalo devastador nos próximos trinta anos.