Última hora

Última hora

Festival de Friburgo abre com "road-movie" colombiano

Em leitura:

Festival de Friburgo abre com "road-movie" colombiano

Tamanho do texto Aa Aa

Está aí a 24ª edição do Festival Internacional do Filme de Friburgo que dá a conhecer obras cinematográficas dos países mais pobres, com pouco meios para promoverem o seu cinema no estrangeiro.

A partir deste sábado, e durante uma semana, treze filmes vindos da Ásia, da América Latina, do Cáucaso e do Médio Oriente acorrem à cidade suíça na esperança de ganharem o “Regard d’Or”.

A euronews esteve à conversa com o director do certame que recusa o epíteto de festival do “terceiro mundo”.

Para Edouard Waintrop, trata-se de construir pontes e ajudar os cineastas que precisam – mas também que o merecem:

“Tentamos apresentar filmes cujo acesso não seria talvez tão fácil se não existíssemos E no futuro, pode ser um filme luxemburguês, porque decidimos não ter fronteiras”, explica o director.

O filme de abertura não vem do Luxemburgo mas sim da Colômbia. “Los viajes del viento” é um ‘road-movie’ a cavalo num burro… que já passou por outros festivais.

Um filme de uma beleza equilibrada entre as paisagens do Norte do Colômbia e as intensas sequências musicais.

“Este filme já esteve em Cannes, na mostra “Un certain regard” e é um filme formidável que eu queria absolutamente apresentar. É um filme espectacular, um filme musical… não é nenhum filmezeco!”, remata Waintrop.

O Festival de Friburgo dá também espaço às séries televisivas. Durante toda a semana, um fórum dedicado ao Médio Oriente permite visionar episódios de séries como como “Arab Labour”. Uma série que retrata a delicada trama relacional, entre judeus e árabes de Israel.

Anne Delseth, responsável pelo Fórum das Séries do Médio Oriente, explica que esta série “passa na televisão judaica em horário nobre e é a primeira vez que um herói de língua arábica passa nas ondas judaicas. E isso vez muito barulho em Israel. É um fenómeno social superinteressante. É uma série com um certo humor negro. É divertida mas ataca certos tabus. E nós não estamos habituados a rir deste tipo de coisas.”

Uma das surpresas da mostra é “Almost”, uma série da Arábia Saudita, criada por dois jovens de Riade e durante muito tempo ignorada pela televisão do país, como conta Anne Delseth: “Disseram-lhes que se atingissem 100 milhões de visualizações no YouTube, passariam o piloto da emissão. E os autores activaram-se imenso no Facebook, no Twitter. E obtiveram os tais 100 milhões de visitantes. E a televisão foi obrigada a passar o piloto. A série fala de ser jovem e ter sonhos num contexto fechado como o da Arábia Saudita”.

O Festival Internacional do Filme de Friburgo encerra a 20 de Março.