Última hora

Em leitura:

Calabash - Soccer City


insiders

Calabash - Soccer City

O estádio Soccer City, a “Cidade do Futebol” é o local do jogo de abertura e da grande final do Campeonato do Mundo de futebol 2010, na África do sul.

Bob van Bebber é o arquitecto que transformou o extinto estádio FNB, num dos mais artísticos e impressionantes locais da cultura do continente.

Bob van Bebber: “Idealizámos um objecto verdadeiramente africano, como o calabash, o tradicional vaso artesanal africano, o melting pot como costumo chamá-lo. Gosto da ideia diversidade porque pode referir-se também às pessoas que se juntam. É importante para Joanesburgo, onde a maioria das pessoas é de fora relativamente aos naturais da cidade. Isto é o melting pot.
Na tradição africana quando se bebe cerveja passa-se o calabash uns para os outros, para que todos possam beber. Aí reflecte-se a ideia de integração, de inclusão. A nossa ideia é de que todos participem nesta experiência, na experiência que aqui é um jogo de futebol”.

“Tivemos alguns problemas em integrar o novo estádio no antigo, mas finalmente correu tudo bem. Poderiam dizer que seria mais fácil deitar tudo abaixo e começar de novo mas aqui existe um património histórico muito importante. Nelson Mandela discursou neste estádio quando saiu da prisão, e também aqui se realizaram as cerimónias fúnebres do activista político Chris Hani e do político Oliver Tambo. A historia está ligada ao estadio e demolir e reconstruir não pagava o respeito e a importância destes acontecimentos”.

“Trabalhar com orçamentos astronómicos é sempre stressante e tivemos de cortar coisas que estavam originalmente pensadas, mas continuamos a gerir bem o orçamento para o estadio.”

Euronews: “O Bob falou da natureza africana no desenho básico para este magnifico estádio – Contou com a ajuda da comunidade local para construção?”

Bob van Bebber: “As principais empresas contratadas começaram numa escola a treinarem mais de 700 desempregados. Ensinaram-lhes as competências básicas de construção, de alvenaria, cofragem, entre outras e estes empregados são na sua maioria uma história de sucesso”.

Euronews: “Que área é esta, em particular?”

Bob van Bebber: “É a zona de aquecimento. Do lado esquerdo a área de massagens, e deste lado uma vaidade particular para os italianos, os secadores de cabelo”.

“Por aqui saem as equipas e encontram-se com a formação adversária que vem do outro balneário”.

“Ao túnel de acesso ao relvado chamamos de poço da mina, em referência ao passado mineiro de Joanesburgo”.

Euronews: “É aqui que os nervos começam a estar à flor da pele”.

Bob van Bebber: “Sim mas penso que isso acontece, realmente, quando se aproximam do relvado e enfrentam 90 mil vuvuzelas, que ecoam nos estádios”.

“Os adeptos vão zangar-se com os árbitros, com as suas decisões mas não vão zangar-se uns com os outros. No derby mais importante, o derby de Soweto, entre os Orlando Pirates e os Kaiser Chiefs, os adeptos estão sentados uns ao lado dos outros sem provocarem desacatos. Isso não é suposto ser um problema para nós, mas certamente, que no campeonato do Mundo as claques vão estar separadas”.

“A minha mensagem é “venham à África do Sul e comprem a vossa vuvuzela”. Vai ser fantástico! Os adeptos locais desfrutam do futebol e vão receber todos de braços abertos. Venham e desfrutem da absoluta festa africana.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

insiders

Turismo ameaça Cordilheira dos Cárpatos