Última hora

Última hora

Grécia afirma ser capaz de enfrentar a crise sem ajuda externa

Em leitura:

Grécia afirma ser capaz de enfrentar a crise sem ajuda externa

Tamanho do texto Aa Aa

O governo grego voltou a rejeitar o recurso à ajuda da União Europeia e do FMI, num momento em que a crise económica se agrava no país.

A taxa de juro das obrigações gregas atingiu o nível mais alto dos últimos 12 anos, a 7,51%. Uma situação que obriga o país a desembolsar o dobro de nações como a Alemanha, para poder financiar o défice.

Atenas voltou a garantir ontem que o país não vai recorrer ao pacote de ajudas acordado pelos 27 e que vai continuar a apostar na aplicação estrita das medidas de austeridade.

Uma posição apoiada por um analista para quem “a urgência passa por voltar a dar confiança aos mercados para evitar o declínio da economia. A única coisa que podemos fazer por agora é prosseguir com o plano de estabilização da economia.”

Uma estratégia que aumenta o descontentamento popular com o actual governo socialista. Duas centenas de manifestantes voltaram a concentrar-se ontem frente ao ministério das Finanças para criticar o congelamento dos salários e a reforma do sistema de pensões.

“O futuro parece cada vez mais negro, não quero parecer trágico, mas que futuro é que vão ter os nossos filhos, de que é que vão viver?”, afirma um manifestante.

Menos fatalista, o governo aposta tudo numa nova oferta de títulos do tesouro na próxima terça-feira para poder amealhar 10 a 12 mil milhões de euros. Uma gota de água no oceano da dívida pública grega.