Última hora

Última hora

Eleições complicadas no Sudão devem reconduzir al-Bachir

Em leitura:

Eleições complicadas no Sudão devem reconduzir al-Bachir

Tamanho do texto Aa Aa

O presidente sudanês votou em Cartum com a confiança de que vai dar continuidade a mais de duas décadas no poder.

Durante três dias, o Sudão vota nas primeiras eleições multipartidárias desde 1986, mas Omar al-Bachir – alvo de um mandado de captura internacional – viu os principais rivais retirarem-se da corrida antes do escrutínio.

O presidente da região semi-autónoma do Sudão do Sul e líder dos ex-rebeldes sulistas votou em Juba, depois de esperar 20 minutos pela abertura das urnas.

Salva Kiir, de 59 anos, sublinhou que “nunca tinha votado”. É a primeira vez que o faz o que “é um bom começo no sentido de um regresso do Sudão à democracia”.

Os ex-rebeldes esperam sobretudo que este escrutínio abra a via ao referendo de autodeterminação do Sul em 2011.

O ex-presidente norte-americano Jimmy Carter, que dirige uma missão de observadores internacionais, acredita que “todos os partidos que participam nas eleições, mesmo os que se retiraram a nível nacional, pretendem uma transição pacífica no país. Nenhum partido está a ameaçar com perturbações ou intimidação dos eleitores”.

O acto eleitoral é particularmente complexo. A população, maioritariamente analfabeta, deve votar simultaneamente em presidenciais, legislativas e regionais.

E os nomes dos candidatos que boicotaram o escrutínio aparecem ainda nos boletins.