Última hora

Última hora

Canal de TV euro-mediterrânico prestes a tornar-se realidade

Em leitura:

Canal de TV euro-mediterrânico prestes a tornar-se realidade

Tamanho do texto Aa Aa

O espaço audiovisual do Mediterrâneo e qual o futuro da televisão nos países do Sul da Europa e Norte de África – foi esse o tema da COPEAM, Conferência Permanente do Audiovisual Mediterrânico.

O encontro decorreu na biblioteca François Miterrand, em Paris, de 8 a 11 de Abril.

Para a secretária-geral da conferência, Alessandra Paradisi, as sociedades desta região do globo estão a mudar e as televisões vão ter que se adaptar: “A COPEAM antecipou-se e deu-se conta da necessidade de de haver uma nova geração e novas exigências das sociedades mediterrânicas, que estão a transformar-se em sociedades multi-étnicas”.

Desde 2006 que a COPEAM participa em conferências organizadas pela União Europeia, nomeadamente programas de formação em competências interculturais, destinados aos jornalistas.

“A COPEAM e a União Europeia são complementares. Penso que a COPEAM e o Mediterrâneo podem ajudar a criar um clima propício para que as políticas se desenvolvam e progridam”, diz a comissária europeia para a Educação e Cultura, Androulla Vassiliou.

A COPEAM é um actor importante no espaço cultural mediterrânico e um parceiro privilegiado dos projectos audiovisuais desenvolvidos pela União Europeia para o Mediterrâneo. Este ano, a conferência apresentou três projectos adoptados no Cairo, no ano passado: um canal de televisão, um portal na Internet e a Universidade Audiovisual do Mediterrâneo.

Diz André Azoulay, presidente da Fundação Annah Lindh: “Quando falo do Mediterrâneo, não penso em termos Norte/Sul. Falo apenas de Mediterrâneo e esse projecto histórico é a etapa que nos pode levar até uma União do Mediterrâneo”.

O canal de televisão do Mediterrâneo, que deveria ser anunciado nesta conferência, ainda não foi lançado, mas é um projecto que está agora mais perto de ser concretizado.

Ibrahim Sahin, director-geral da TRT, televisão estatal turca, é um dos envolvidos no projecto: “Todos os projectos nascem a partir de um sonho. Sobretudo nas ideias multi-nacionais, é preciso algum tempo até à concretização, mas penso que se este projecto é desejado e for encontrado o financiamento, não vai demorar muito tempo”.

“Para ser difundido em três línguas, para toda a bacia do Mediterrâneo, concebemos várias hipóteses: uma orçada em 20 milhões de euros e outra em 70 milhões de euros. Há várias hipóteses, consoante a quantidade de línguas e a qualidade da emissão”, explica Emmanuel Hoog, presidente da COPEAM.

Em Janeiro deste ano, uma delegação da COPEAM apresentou o projecto de um canal euro-mediterrânico aos embaixadores da União para o Mediterrâneo, em Bruxelas. A próxima etapa é em Barcelona, em Junho. O anúncio da criação do canal pode acontecer aí.

O que em 1996 era um sonho é agora o início de um projecto. Várias questões continuam à espera de uma resposta exaustiva para que este projecto complexo, que é o canal de televisão do Mediterrãneo, se concretize.