Última hora

Última hora

Passageiros procuram alternativas para regressar a casa

Em leitura:

Passageiros procuram alternativas para regressar a casa

Tamanho do texto Aa Aa

O fim-de-semana está comprometido para milhares de passageiros. A maioria das ligações com destino ou partida dos aeroportos no norte da Europa estão fortemente perturbadas após o encerramento do tráfego aéreo provocado pela erupção vulcânica, na Islândia.

Desde quinta-feira, altura em que começaram a encerrar os aeroportos, que os passageiros passam infinitas horas sem respostas e desesperam pelo regresso a casa.

Alguns começam a pensar nas alternativas.

“Sinceramente, não é nada bom! Começo a ficar farta desta situação. Queremos regressar a casa ou que nos digam que há avião esta tarde”.

“Disseram-nos para vir para aqui porque só na altura do embarque poderiam ter informações. Passámos pelo controlo e quando estávamos cá dentro disseram-nos que não podíamos voar”.

“Chegámos de Joanesburgo ontem às 6 da manhã e estamos aqui desde essa hora. Estamos a tentar regressar a Birmingham, para já o nosso primeiro avião é segunda-feira de manhã. Somos uma família com seis pessoas e vamos tentar apanhar um comboio”.

Os passageiros sentem-se lesados pela situação mas conforme explica a porta-voz da Comissão Europeia para os transportes, situações inesperadas não são passivas de reembolsos ao contrário de situações de rotina.

“Os direitos europeus dos passageiros não prevêem compensações financeiras adicionais para esta situação inesperada, ao contrário do que normalmente acontece em situações rotineiras com atrasos e cancelamentos de voos”, disse Helen Kearns.

O comboio está a tornar-se a alternativa mais viável. A Eurostar, ligação ferroviária entre a Grã-Bretanha e França, está submersa em pedidos de reservas. Só na quinta-feira, o grupo recebeu mais de 10 mil pedidos suplementares e esta sexta-feira colocou em circulação três comboios extra que rapidamente foram preenchidos.

As agências de aluguer de automóveis são outra forma de viajar. Os passageiros estão a juntar-se para dividir viaturas com pessoas que viagem para o mesmo destino.