Fechar
Login
Por favor, introduza os seus dados de login

Skip to main content

A 19 de Abril de 2005, o polémico cardeal Joseph Ratzinger tornou-se conhecido no mundo católico como Bento XVI.
 
Cinco anos depois, o pontificado do sucessor de João Paulo II fica marcado por várias polémicas e escândalos.
 
Bento XVI luta pela defesa dos valores centrais do cristianismo face ao que considera ser o declínio dos valores morais.
 
A postura mais conservadora e a recuperação das formas tradicionais de oração, como a missa em Latim irritaram milhares de féis progressistas.
 
Mas foi no plano internacional que surgiu a primeira grande polémica. Em 2006, a relação o mundo islâmico “azedou” quando Bento XVI discursou sobre Maomé, na Universidade de Ratisbona.
  
As palavras do Papa provocaram uma tempestade de indignação, obrigando o Vaticano a esclarecer que Bento XVI nunca tivera a intenção de ofender os muçulmanos. As gafes continuaram desta feita com os Judeus.
 
Em Maio de 2006, durante uma vista a Auschwitz, o sumo pontífice atribuiu a culpa do Holocausto a um bando de criminosos. Um discurso que minimizou o papel dos cristãos anti-semitas e decepcionou o povo judeu.
 
Novo aumento de tensão em 2009, ao acelerar processo de beatificação de Pio XII, um Papa acusado de ter reagido ao Holocausto com silêncio. Outra crítica: o levantamento da excomunhão a vários bispos negacionistas.
 
Por ocasião de uma visita a África, em Março de 2009, Bento XVI condenou a distribuição de preservativos para combater a propagação da SIDA. Do mundo ocidental choveram críticas.
 
“O problema da SIDA é uma tragédia que não pode ser ultrapassada só com dinheiro, nem pela distribuição de preservativos que até podem agravar o problema”, disse.
 
Recentemente são os casos de pedofilia cometidos por padres que têm abalado a Igreja. As histórias repetem-se em várias partes do mundo.
 
Para Robert Moynihan, editor chefe da revista “Inside the Vatican”, Bento XVI está sob avaliação.
 
“O grande legado do Papa será julgado, ou poderá ser julgado, à luz destes ataques e pela forma como ele reagiu”, diz.
 
Neste momento de grave crise que a igreja católica enfrenta, os olhos dos fiéis viram-se para Bento XVI à espera de um rumo.

Copyright © 2014 euronews

Mais informação sobre