Última hora

Última hora

Testemunhos das vítimas dos padres pedófilos

Em leitura:

Testemunhos das vítimas dos padres pedófilos

Tamanho do texto Aa Aa

São surdos mas fazem ouvir a sua voz. Antigos pensionistas do Instituto para Crianças Surdas Antonio Provolo, em Verona, na Itália, acusam vinte e quatro religiosos de abusos sexuais, entre 1950 e 1980.

“Quando eu tinha 11 anos, começaram as relações… no dormitório, na casa de banho… Muitas vezes éramos sodomizados na casa de banho. Durou quatro anos… E diziam-nos: ‘Não digas nada’…”, conta Gianni Bisoli, uma das vítimas.

“Só peço que estes padres sejam afastados. Só peço justiça”, diz Dario Laiti, que também foi vítima de abusos sexuais.

Impunidade e lei do silêncio são as principais críticas que surgem de cada vez que um novo escândalo de pedofilia vem a lume na Igreja Católica.

Mesmo as instituições de elite foram cúmplices. Na Alemanha, tanto em Berlim como em Hamburgo, as hierarquias de duas escolas jesuítas fizeram orelhas moucas à carta de alerta, escrita pelos alunos, em 1981.

“É terrível. Falei ao telefone com a mãe de uma vítima que me disse que o filho, hoje com cerca de 40 anos, tem sérios problemas psiquiátricos. Falei directamente com a vítima e tenho vergonha pela escola. É terrível, é tudo!”, lamenta Friedrich Stolze, responsável pelo Colégio de Sankt Angar.

Os novos escândalos sucedem-se, um pouco por todo o mundo. Alguns põem em causa a reponsabilidade directa do Papa Bento XVI, sobretudo nos tempos em que o ainda cardeal Ratzinger dirigia a Congregação da Doutrina da Fé – o órgão de vigilância da Igreja.

É o cardeal Ratzinger que, em 1985, assina esta carta, onde “pelo bem da Igreja”, desaconselha a expulsão de um padre pedófilo recidivista em Oakland, na Califórnia.

“As coisas avançavam lentamente, claro… Creio que o cardeal Ratzinger ainda não estava em cena quando começou o caso deste padre de Oakland. Mas quando teve de fazer algo, penso que seguiu o o que se praticava no tempo do papa João Paulo, que tentava acalmar este tipo de coisas. Não ia pôr fim ao sacerdócio…”, explica John Cummins, o antigo bispo de Oakland.