Última hora

Última hora

UE e FMI aprovam plano de 750 mil milhões de euros para salvar a eurozona

Em leitura:

UE e FMI aprovam plano de 750 mil milhões de euros para salvar a eurozona

Tamanho do texto Aa Aa

O acordo foi alcançado a tempo de tranquilizar as bolsas asiáticas. São 750 mil milhões de euros para apoiar os países da zona euro que necessitem e evitar assim a propagação da crise grega.

Foram 11 longas horas de negociações entre os ministros das Finanças da União, para estabelecer um pacote que inclui empréstimos e garantias dos países da zona euro e do FMI. Suécia e Polónia juntaram-se ao mecanismo, que prevê 440 mil milhões de euros dos Estados da zona euro e 60 mil milhões da Comissão. Somando os 250 mil milhões de empréstimos do FMI, o pacote ascende a 750 mil milhões.

O Banco Central Europeu anunciou igualmente uma intervenção no mercado obrigacionista, eventualmente, através da compra de obrigações.

Quanto ao tão esperado Fundo Monetário Europeu, o comissário para os Assuntos Económicos explica que os vários formatos estão a ser debatidos. Olli Rehn promete “apresentar propostas concretas já na quarta-feira” e acrescenta: “A ‘task force’ presidida pelo presidente Van Rompuy vai certamente discutir o assunto em profundidade.”

O comissário frisou ainda que o plano só será activado em caso de necessidade e sob condições rigorosas. Aliás, os ministros congratularam-se com as novas medidas de saneamento orçamental anunciadas por Portugal e Espanha – países na mira dos especuladores, a que Rehn chamou “alcateia”.

A questão das agências de ‘rating’ foi também discutida. “Nas nossas conclusões”, explica Elena Salgado, ministra espanhola presidente em exercício do Conselho de ministros da tutela, “acrescentámos a necessidade de avançar rapidamente com a regulação e a supervisão do sistema financeiro, em particular no que se refere aos produtos derivados e ao papel das agências de ‘rating’.”

O anúncio das medidas, que visam evitar a propagação da crise grega a outros países da zona euro, foi bem recebido pelos mercados. Tóquio abriu com o euro a cotar novamente acima de 1,29 dólares.