Última hora

Última hora

Brown disposto a abandonar liderança para salvar o Labour

Em leitura:

Brown disposto a abandonar liderança para salvar o Labour

Tamanho do texto Aa Aa

A bem do partido, Gordon Brown diz-se disposto a abandonar a liderança dos trabalhistas. O primeiro-ministro cessante, e perdedor das eleições, tenta assim ajudar os trabalhistas a negociar um acordo de governo com os liberais democratas.

A terceira formação política do país abriu, esta segunda-feira, negociações com os trabalhistas, em paralelo com as que já mantém com os conservadores. “Acredito que as negociações com o ‘libdem’ são importantes é do interesse nacional que respondamos de forma positiva”, explica Brown, que acrescenta: “A razão pela qual temos um ‘parlamento suspenso’ é porque nenhum partido, nenhum líder, foi capaz de ganhar o apoio completo do país. Enquanto líder do meu partido, devo aceitar que isto é um julgamento sobre a minha acção.”

Mais votados nas eleições, mas sem maioria absoluta, os conservadores de David Cameron negociam já há vários dias com o ‘libdem’. Nick Clegg tornou-se um elemento incontornável e quer ver quem dá mais pelo seu apoio: “Ainda não alcançámos um acordo completo de parceria. É por isso que, dada a urgência de uma solução, pensamos que o mais certo a fazer, o mais responsável, é abrir negociações com o partido trabalhista, nas mesmas bases que temos tido com os conservadores.”

O ‘libdem’ subordina qualquer acordo a um novo sistema eleitoral, que permita uma maior representação dos partidos pequenos. Os conservadores, que se querem concentrar na retoma económica, estão dispostos a fazer uma concessão. “Vamos oferecer aos liberais democratas, no quadro de uma coligação governamental, a realização de um referendo sobre um sistema de voto alternativo, para que o povo deste país possa decidir qual o melhor sistema eleitoral para o futuro”, anuncia William Hague, o negociador dos Tories.

Com a pressão dos mercados a fazer cair a libra esterlina, é urgente chegar a um compromisso. Cabe depois à rainha, indigitar o líder que tenha conseguido um acordo com o ‘libdem’.