Última hora

Última hora

Grécia e Turquia: Os velhos inimigos à procura da reaproximação

Em leitura:

Grécia e Turquia: Os velhos inimigos à procura da reaproximação

Tamanho do texto Aa Aa

Janeiro de 1996: a Grécia e a Turquia quase entram em guerra. Os dois aliados da NATO reivindicam ambos a soberania de várias pequenas ilhas desabitadas.

No Mar Egeu existem duas mil ilhas gregas, algumas perto da costa turca. O diferendo em torno de Imia/Kardak é apenas um dos vários dossiês pendentes, tal como a delimitação das águas territoriais ou do espaço aéreo.

Atenas e Ancara vivem há décadas num ambiente de conflito, que se traduz em elevados orçamentos militares, impossíveis de manter em tempos de crise.

A Grécia é obrigada a reduzir aquele que é o maior orçamento da defesa na União Europeia. São quase sete mil milhões de euros por ano, isto é, 3,2% do PIB. A Turquia gasta mais de nove mil milhões, ou seja, 3,3% do PIB.

Eliminar as ameaças e criar confiança é o objectivo dos dois países, que começaram a reaproximar-se há 11 anos. Em 1999, Atenas e Ancara fizeram face à mesma tragédia: os sismos que abalaram os dois territórios. Os socorristas turcos e gregos trabalharam lado a lado e as acções de solidariedade atravessaram as fronteiras. A prova, o concerto de artistas gregos e turcos realizado em Istambul.

Onze anos volvidos, a Grécia e a Turquia estão unidas mais uma vez. Há dez anos a Turquia fez face a uma grave crise económica. Agora é a vez da Grécia.

Numa política de reciprocidade, algumas ilhas gregas pediram a abolição dos vistos para os turcos, procurando contornar a crise do sector turístico helénico.