Última hora

Última hora

A paixão dos cromos de futebol

Em leitura:

A paixão dos cromos de futebol

Tamanho do texto Aa Aa

A febre dos cromos da bola começou em 1961. Foi então que os irmãos Panini lançaram a primeira colecção do Campeonato Italiano de futebol.

Desde aí, as crianças reúnem as suas “fortunas” para poderem comprar e trocar os cromos. Dos recreios da escola, a paixão chegou aos leilões na internet ou às feiras de coleccionadores.

“Para mim, é a sensação de colar o cromo…Tirar o papel e conseguir completar a caderneta”, conta o pequeno Rafael.

Numa feira de Estugarda, juntam-se miúdos e graúdos. Uma tradição, já que, no Mundial da Alemanha de 2006, 160 milhões de saquetas foram vendidas só em terras germânicas.

“Este é a minha caderneta mais antiga: o Mundial de 78 na Argentina. Tenho três cadernetas destas. Consegui uma, recentemente, num leilão do eBay porque só me faltavam três cromos numa outra e a do eBay tinha exactamente os cromos que me faltavam”, diz um coleccionador de 47 anos.

O mais jovem tem apenas nove semanas. Mas os pais já lhe estão a preparar a herança…