Última hora

Última hora

Israel deporta activistas do navio Rachel Corrie

Em leitura:

Israel deporta activistas do navio Rachel Corrie

Tamanho do texto Aa Aa

Israel volta a provar que o bloqueio da Faixa de Gaza é intransponível, desta vez sem recorrer à violência.

O navio humanitário irlandês, Rachel Corrie, foi apresado ontem pela marinha israelita, em águas internacionais, quando tentava penetrar na zona exclusiva de Gaza.

Os 11 activistas a bordo vão ser deportados este Domingo, depois de terem rejeitado recorrer aos tribunais para contestar a detenção.

Para o porta-voz do governo israelita, “a operação de ontem mostra a diferença entre manifestantes não violentos e os activistas islamitas radicais que na semana passada optaram pela violência como método de protesto”.

Sob pressão internacional, depois da abordagem mortífera da semana passada, Israel optou ontem por uma operação de intercepção sem disparar um único tiro.

Os activistas tinham rejeitado as propostas de Israel e dos Estados Unidos de descarregar no porto israelita de Ashdod.

Uma das organizadoras da frota humanitária afirma-se revoltada com a atitude de Israel. “Realizar este tipo de abordagem em águas internacionais é um acto violento. O Rachel Corrie é um navio civil que transporta mantimentos para Gaza. Israel tem de perceber que o recurso à violência não é uma solução”.

O exército israelita garantiu que a ajuda humanitária a bordo do cargueiro vai ser entregue em Gaza, à excepção de várias toneladas de cimento. Israel receia que possam ser utilizadas pelo Hamas para construir “bunkers”.