Última hora

Última hora

Rússia não quer enviar militares para o Och

Em leitura:

Rússia não quer enviar militares para o Och

Tamanho do texto Aa Aa

Impotente face à violência dos confrontos, as autoridades do Quirguistão pediram ajuda à Rússia para conter o conflito étnico, mas Moscovo não quer implicar-se militarmente.

O kremlin lançou para já a possibilidade de uma mediação ou ajuda humanitárias mas se comprometeu com o envio de tropas.

Até ao momento os motins causaram a morte de 62 pessoas e lançou um rasto de destruição em diferentes áreas da segunda maior cidade. Esta é a maior vaga de violência desde a destituição do presidente em Abril.

Os distúrbios que duram há três dias levaram à fuga de uma parte da poulação que tenta assim salvar-se da violência.

O governo interino no Quirguistão, que conta com bases militares dos Estados Unidos e da Rússia, diz ser incapaz de travar os grupos armados que incendeiam casas e comércio pertencente aos Uzbeks.

A presidente interina Roza Otumbayeva, explica que é necessário as forças da ordem pacifiquem a situação, e foi nesta optica que fizemos apelo às forças russa numa carta.

Frente à embaixada uzbeque na capital russa, esta mulher uzbeque vive em Moscovo diz os seus familiares estão perigo e pedem ajuda à Russia.

O Quirguistão, nação ex-soviética com 5,3 milhões de habitantes, declarou estado de emergência em Osh e vários distritos rurais na sexta-feira