Última hora

Última hora

Vítimas inocentes no domingo sangrento da Irlando do Norte

Em leitura:

Vítimas inocentes no domingo sangrento da Irlando do Norte

Tamanho do texto Aa Aa

Mil nocentos e setenta e dois foi um ano escandalosamente sangrento, na Irlanda do Norte. O movimento dos direitos cívicos para os católicos convocou uma manifestação, duramente reprimida pelo Exército britânico.

Nesse ano, 470 pessoas foram mortas, 14 delas, no domingo sangrento. A 30 de Janeiro de 1972, os paraquedistas do Primeiro Regimento atiraram sobre uma manifestação não autorizada, em Londonderry.

Entre os mortos, estava um jovem de 17 anos, Jackie Duddy. O corpo inanimado foi protegido pelo bispo Daly que agitou um lenço ensanguentado.

O mesmo lenço que irmã de Jackie tem hoje entre as mãos, para clamar a sua inocência.

“Olhando para ele, via-se que não fez nada, ele não fez nada. Isto é uma grande amargura. Foi acusado de ter atirado um coquetaile explosivo. Mas Jackie era totalmente inocente, 100 por cento inocente. Ele não fez nada, não havia qualquer justificação para dispararem sobre Jackie.”
Jackie e 12 outros mortos foram enterrados a 2 de Fevereiro, em Londonderry. Milhares de pessoas assistiram aos funerais, apesar da chuva e do frio. A décima quarta vítima morreu algumas semanas depois.

O Reino Unido era então governado pelo PM conservador Edward Heath.

Foi aberto um inquérito sumário, dirigido por John Widgery que inocentou o exército. Concluiu que os soldados se limitaram a responder ao fogo dos manifestantes.

Foi necessário esperar pela chegada de Tony Blair ao poder, para que se abrisse novo inquéiro, em 1998.

As investigações foram dirigidas por Saville de Newdigate. O primeiro ministro trabalhista comprometera-se com o processo de paz na Irlanda do Norte, perante as pressões da opinião pública.

Surgiram novas provas, ocultadas em 1972.

Entre Abril de 1998 e Novembro de 2004 a comissão ouviu 900 testemunhas e recebeu 2500 depoimentos escritos, sobre o domingo sangrento. E concluiu-se que, nesse domingo de Janeiro de 1972, morreram inocentes, na Irlanda do Norte.