Última hora

Última hora

Ministro francês descarta papel em evasão fiscal da L'Oréal

Em leitura:

Ministro francês descarta papel em evasão fiscal da L'Oréal

Tamanho do texto Aa Aa

O ministro do Trabalho francês e a mulher estão no centro de uma polémica que envolve os milhões da L’Oréal.

A imprensa revelou que o grupo de cosmética de Liliane Bettencourt fugiu ao fisco durante os anos em que Eric Woerth era ministro das Finanças e Florence Woerth geria a fortuna de uma das mulheres mais ricas da Europa.

As informações constam de escutas telefónicas onde o nome de Woerth é mencionado.

Numa entrevista a um canal francês, o ministro do Trabalho fala em complô:

“Sou uma figura visível porque me ocupa do sistema de pensões que estamos a reformar. O meu nome aparece porque a minha mulher trabalha numa empresa, mas ela não tem nada a ver com o processo da senhora Bettencourt. Pegam nas duas coisas e estão a tentar deitar-me abaixo”.

Além das operações de fuga ao fisco como a compra desta ilha nas Seicheles, a dona da L’Oréal terá escondido dinheiro em contas na Suíça

Informações sugeridas pelas conversas entre a empresária e o gestor da sua fortuna, para quem trabalhava Florence Woerth.

Bettencourt terá também feito donativos ao UMP, o partido de Nicola Sarkozy, cujo tesoureiro é por coincidência…Eric Woerth.

O ministro do Trabalho disse ontem que a mulher vai demitir-se e Bettencourt anunciou a intenção de regularizar a sua situação fiscal mas o caso “L’Oréal” promete continuar a suscitar polémica em França.