Última hora

Em leitura:

Pesca sofre efeitos das alterações climáticas


talk-planet

Pesca sofre efeitos das alterações climáticas

Em parceria com

Jerry Percy é o pescador que partilhou com a Euronews a experiência no mar.

Percy: Não conheço os aspectos científicos mas ao longo dos últimos vinte e poucos anos que vivo perto do mar na costa oeste, vejo que inúmeras espécies mudaram os hábitos. Tanto quanto posso ver – enquanto leigo – a única razão que encontro é que as temperaturas estão a aumentar.

Há vinte anos não teria visto um caranguejo-aranha nas águas deo País de Gales, ou até mesmo na costa oeste do Reino Unido. São comuns em Espanha, quase espécies mediterrânicas. Agora, como nós dizemos, tornaram-se uma praga mas eles têm valor no mercado e existem dezenas de milhar.

Suponho que o caranguejo-aranha é o melhor exemplo dos benefícios que podem trazer as alterações climáticas, porque nos oferece uma nova espécie em quantidades significativas.
A curto prazo, isto é realmente bom para os pescadores.

Temos uma espécie alternativa com muita procura. A longo prazo, nós não sabemos como vai ser. Porque se continuarem esta migração para o norte, em algum momento num futuro próximo, vão desaparecer.

Penso que das principais espécies que habitualmente pescamos e que mudaram a sazonalidade é provavelmente o robalo.

O robalo aqui sempre foi um peixe de verão. Pescava-se no final de Maio, Junho, Julho e Agosto e depois desaparecia para águas quentes. Agora pesca-se o ano inteiro. Pode-se pescar robalo aqui no estuário, a meio do inverno.

Costumamos pescar tubarões com palangre a partir de barcos pequenos, aqui, em Milforn Haven. E há uns anos nunca imaginámos ver orcas. Agora, em média, durante o ano podem ver-se meia dúzia durante a temporada de pesca.

Não é normal de todas as formas. Elas são criaturas gigantescas. A diferença entre elas e o peixe normal é que ao passarem pelo barco olham para ti. Conseguimos vê-las a olharem como se estivessem a ver um pequeno lanche.

Hoje existe outro bom exemplo. Quando conversa com os pescadores de Milford que pescaram aqui durante 20, 30 ou 40 anos não têm dúvidas de que o vento se tornou mais forte. Os ventos fortes tornaram-se mais comuns. Alguns pescadores também dirão que as marés estão mais fortes… Pode ser verdade ou pode ser que o vento se tornou mais forte… Não sei se os ventos têm algum efeito na maré mas é certo que estamos a passar por mudanças climáticas.

Sou um leigo. Não sou um fanático das alterações climáticas. Não sei o suficiente sobre isso… Tudo o que posso dizer é que na indústria de pesca comercial – estar no mar 24 horas por dia durante as últimas décadas – deu para perceber as mudanças muito visíveis… e muito significativas.

Os nossos destaques

Artigo seguinte

talk-planet

O degelo do Árctico: pomo da discórdia entre cientistas