Última hora

Última hora

Saúde mental da milionária maior accionista da L'Oréal é posta em causa

Em leitura:

Saúde mental da milionária maior accionista da L'Oréal é posta em causa

Tamanho do texto Aa Aa

Liliane Bettencourt, principal accionista da L’Oréal, 17a fortuna mundial com 17 mil milhões de euros, segundo a revista Forbes, está em plena posse das faculdades mentais ou não?

A milionária de 87 ans, tem um problema neurológico desde 2002 que, segundo a filha, afectou a lucidez. No entanto, Liliane recusou sempre qualquer avaliação médica e quer gerir a fortuna como muito bem entender.

Na origem do litígio entre mãe e filha estão as doações de Liliane Bettencourt ao fotógrafo François Marie Banier, a partir de 1995. Dons no valor de mil milhões de euros que incluem presentes como quadros de Picasso e Matisse. Mas a amizade de Liliane e Banier já vem de 1969, quando ele tinha apenas 22 anos e a fotografou.

O advogado do beneficiário nega qualquer abuso de fraqueza por parte do cliente:

“Mme Liliane Bettencourt agiu sempre do mesmo modo em relação a François Banier, livremente, assumida e voluntariamente. “

O advogado da filha contra-ataca, insistindo no estado de saúde da doadora:

“Chega a não reconhecer pessoas que trabalham há 18 anos com ela. É um estado normal ou um estado de fraqueza?”

A saúde intelectual da milionária filha do criador da grande marca francesa, Eduard Schueller, foi mesmo alvo de espionagem telefónica.
O seu governante pirateou as conversas de Liliane com os gestores da fortuna e a imprensa publicou um dos registos:

-“Quanto é que eu deixei a François-Marie? Que proporção?”, pergunta Liliane Bettencourt.

-“Legatário universal”, responde o gestor.

-“Isso quer dizer o quê?”, pergunta.

-“Tudo”, ouve-se.

O advogado de defesa, Georges Kiejman, reagiu:

“Ela diz muito claramente que não se arrepende do que fez porque quando dá é porque quer e quando recusa é porque quer recusar.
Acho que no essencial essas escutas não trazem nada de novo.”

Mas estes registos também sugerem a existência de operações destinadas à fuga ao fisco e a infiltração do Eliseu sem procedimentos judiciais. também há ligações obscuras ao caso do ministro do Trabalho, Eric Woerth, tesoureiro da UMP e a mulher, Florence .