Última hora

Última hora

Buscas aos gestores da fortuna de Bettencourt

Em leitura:

Buscas aos gestores da fortuna de Bettencourt

Tamanho do texto Aa Aa

O folhetim judicial que apaixona a França conheceu, esta manhã, um novo episódio. A brigada financeira efectuou buscas no domícilio de Patrice de Maistre, o gestor da fortuna de Liliane Bettencourt e na sede da empresa que faz a gestão dos bens da milionária francesa.

As buscas surgem um dia depois do confronto entre Claire Thibout, a ex-contabilista de Liliane Bettencourt, e o actual gestor da fortuna da herdeira da Loréal.

Thibout reafirmou que Maistre lhe pediu 150 mil euros para dar a Eric Woerth, tesoureiro do partido do presidente Sarkozy, antes das presidenciais de 2007, mas não confirmou que o próprio Sarkozy tenha recebido dinheiro da milionária quando era autarca na região parisiense.

O director do site Mediapart, que publicou as primeiras declarações da contabilista, afirma que “é claro que ela está sob pressão judicial, política e mediática que a levam a medir as palavras em questões sensíveis que dizem respeito ao presidente da república”, acrescentando: “nós mantemos integralmente o artigo que publicámos a 6 de Julho”.

O caso remonta ao tempo em que o actual ministro do Trabalho, Eric Woerth, era ministro das Finanças e tesoureiro da UMP, o partido do governo e a mulher geria a fortuna de Liliane Bettencourt.

O escândalo rebentou quando foram tornados públicos excertos de gravações feitas em casa de Liliane Bettencourt.

O inquérito judicial prossegue, mas ao nível político, a oposição, assim como muitas vozes sonantes do partido de Sarkozy, pedem o apuramento da verdade.