Última hora

Última hora

Em que consistiram os testes de stress?

Em leitura:

Em que consistiram os testes de stress?

Tamanho do texto Aa Aa

Para contar a história da última crise bancária, é preciso recuar a 2008. Nos Estados Unidos, o banco Lehman Brothers abriu falência, desencadeando a pior crise económica desde a Grande Depressão.

No Reino Unido, o Northern Rock já tinha sido salvo in extremis por um enorme plano de resgate.

Em França, o presidente Sarkozy fez uma promessa: “Aconteça o que acontecer, o Estado garantirá a segurança e a continuidade do sistema bancário e financeiro francês”.

Depois da crise financeira, a crise da dívida soberana em 2010. A Grécia foi o primeiro país atingido. Os Governos da União Europeia perceberam a urgência em evitar uma nova crise a larga escala, cuja factura fosse paga, em grande parte, pelos contribuintes.

Decidiram, então, testar a saúde do sistema bancário europeu e avaliar como enfrentar uma eventual crise de grandes dimensões.

Os testes de stress abrangeram 91 bancos europeus, representando 65% dos activos do sector.

Os supervisores nacionais realizaram os testes, que foram coordenados pelo Comité Europeu de Supervisores da Banca, sediado em Londres.

Três cenários foram considerados nos testes. O de referência serviu como base para comparar os outros dois: o cenário adverso, que imaginou a Europa atingida por uma recessão em “W”, e um cenário adverso, com um “choque da dívida soberana”.

Os testes de resistência assumiram uma perda de 14 por cento na dívida soberana portuguesa, o segundo nível mais elevado a seguir à Grécia.

“O sector bancário é um dos factores de risco para o futuro desenvolvimento económico e se nós conseguirmos estabelecer, com sucesso, transparência e implementar medidas para apoiar os bancos mais fracos, isso será um grande passo em frente”, explica o analista Klaus Abberger.

Os bancos chumbados nos testes ficam numa situação mais delicada, com ainda mais dificuldades no acesso a financiamento. Terão de tomar medidas de recapitalização. No contexto actual, terão de ser os Estados a ajudar as instituições.