Última hora

Última hora

Alemães incrédulos com a tragédia de Duisburgo

Em leitura:

Alemães incrédulos com a tragédia de Duisburgo

Tamanho do texto Aa Aa

Na Alemanha, vive-se a estupefação depois da tragédia em que se transformou a Love Parade de Duisburgo. O balanço das vítimas mortais subiu para 20 e contam-se mais de 500 feridos.

Tudo aconteceu porque o festival de música tecno terá atraído entre 500.000 e um milhão de pessoas, quando o espaço só podia levar 250.000.

“Porquê” é a palavra que mais se ouve e mais se lê, em Duisburgo. Por que razão a autarquia autorizou o evento, sabendo que a cidade não tinha dimensões para o acolher?

O procurador de Duisburgo diz que os planos dos organizadores e da Câmara Municipal vão ser analisados, com vista a um possível processo. Foi já aberto um inquérito por alegado homicídio por negligência.

O Presidente da Câmara está a ser alvo de insultos, por parte dos populares, que o acusam de ser responsável pela tragédia. Mas a polícia também está debaixo de fogo.

Diz uma testemunha: “Vi muito pouca polícia, os polícias não se mexeram da posição que lhes tinha sido dada, tal como as ambulâncias, que estavam longe do local onde se deu o drama”.

A polícia descarta responsabilidades e diz que há mais de um ano tinha avisado a autarquia de que a cidade não tinha dimensões para poder receber o evento. Para os sobreviventes, o choque ainda não passou: “Não entendo. Ficámos encurralados e depois, quando há pânico há pânico. Deviam ter retirado os gradeamentos”, diz uma jovem.

Os organizadores da Love Parade decidiram que o evento não se vai repetir. O mega-desfile de música tecno decorreu em Berlim, até 2007, mas nos últimos três anos foi decidido realizar-se em várias cidades alemãs.