Última hora

Última hora

Saída de Álvaro Uribe desanuvia tensões entre Colômbia e Venezuela

Em leitura:

Saída de Álvaro Uribe desanuvia tensões entre Colômbia e Venezuela

Tamanho do texto Aa Aa

O braço-de-ferro entre a Colômbia e a Venezuela pode estar a dias do fim, pelo menos no que depende do novo presidente colombiano, nomeado este sábado.

Juan Manuel Santos estendeu a mão ao homólogo venezuelano, Hugo Chávez, e propôs um “diálogo directo”, o mais rápido possível, para por termo à crise diplomática que comprometeu as relações bilaterais.

O novo presidente colombiano disse que “um dos objectivos principais será reconstruir as relações com a Venezuela e o Equador, de forma a reestabelecer a confiança, a diplomacia e a prudência”.

Santos assegurou que a palavra “guerra” não consta do seu “dicionário” e que a Colômbia não tem inimigos no estrangeiro.

O presidente da Venezuela, que faltou à cerimónia de investidura de Santos, responde à altura e diz-se pronto para “virar a página, rumo ao futuro”. No entanto, Chávez adverte que para isso tem de haver um “respeito total” pelo país.

Tal como o Equador, Caracas rompeu relações com Bogotá, depois do presidente cessante da Colômbia, Álvaro Uribe, acusar Hugo Chávez de dar abrigo a cerca de 1500 guerrilheiros das FARC, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

Por outro lado, Chávez, inimigo confesso da bandeira norte-americana, acusou o antigo homólogo colombiano de ser um “lacaio do império”, ao permitir o uso de bases militares colombianas pelo exército dos Estados Unidos.