Última hora

Última hora

Sobreviver no Paquistão inundado

Em leitura:

Sobreviver no Paquistão inundado

Tamanho do texto Aa Aa

Os que escaparam com vida à devastação das águas tentam por todos os meios sobreviver.

Muitos perderam membros da família, todos os pertences e só lhes resta encontrar uma estrada que não tenha sido destruída para alcançarem campos de refugiados ou alguém que possa prestar-lhes auxílio.

Pelo caminho vão descarregando lamentos e críticas contra as autoridades:

“Ninguém nos informou antecipadamente. Foi só quando a cheia chegou junto de nós que nos demos conta que estávamos rodeados de água por todo o lado. Começámos todos a dirigir-nos para a auto-estrada, que era o único local seguro, não tínhamos alternativa.”

“Assim que a cheia levou a minha irmã, fui para o rio e chorei muito por ela. Toda a gente, os filhos e o netos ficaram muito tristes. Procurámos durante seis ou sete dias, mas não conseguimos encontrá-la. Se ao menos encontrássemos o corpo…”.

Aqui, uma escola foi transformada em abrigo. Ninguém sabe quando poderá voltar ao sítio onde vivia. Toda a ajuda humanitária será insuficiente para recuperar a vida destas comunidades.
e a reconstrução vai certamente demorar anos.