Última hora

Última hora

Egemen Bağış: "A mensagem do povo turco será uma viragem no processo de adesão à UE"

Em leitura:

Egemen Bağış: "A mensagem do povo turco será uma viragem no processo de adesão à UE"

Tamanho do texto Aa Aa

Com a aprovação das reformas constitucionais, a Turquia deu um passo importante para a modernização mas será que fica mais próxima da União Europeia? Os apoiantes europeus da adesão turca dizem que sim, enquanto os opositores, como a  Áustria, garantem que nada vai mudar.
 
Ancara iniciou as negociações de adesão em 2005, mas 18 dos 35 capítulos estão bloqueados. Chipre tem sido a principal razão evocada.

Quais as implicações dos resultados do referendo constitucional na Turquia? As respostas de Egemen Bağış, ministro turco para os Assuntos Europeus e chefe das negociações para a adesão da Turquia à União Europeia (UE).

euronews:
Como interpreta os resultados? O que é que vai mudar na Turquia?

Egemen Bağış:
Na realidade, este referendo mostrou até que ponto os turcos acreditam numa democracia exigente, nos Direitos do Homem e na economia de mercado. É a Turquia que sai vencedora deste referendo. Não foram os partidos políticos que ganharam. Ganharam os cidadãos da república turca. Vamos, depois desta etapa, continuar com as reformas e daremos os primeiros passos necessários para que a Turquia se transforme num país que responde aos critérios europeus e para que a população turca beneficie de uma qualidade de vida elevada.

euronews:
Quarenta e dois por cento dos eleitores disseram não às modificações constitucionais. Como pensa responder às preocupações desta parte da população?

E. Bağış:
Nós respeitamos quem votou a favor mas também quem votou contra e aqueles que se abstiveram. Nós respeitamos todos os cidadãos. Tentamos compreender as mensagens expressas pelas diversas facções. O facto de 42% dos cidadãos ter votado contra tem a ver, infelizmente, não com o conteúdo das reformas mas com a desinformação.

Os nossos cidadãos irão constatar que, uma vez implementado, o pacote de reformas vai aumentar as liberdades individuais, que a democracia na Turquia terá alicerces mais sólidos, que após os primeiros passos – como a criação da figura do Mediador da República – estas reformas farão a Turquia progredir rapidamente. Acreditamos profundamente que os cidadãos vão apropriar-se destas reformas e apoiá-las ainda mais.

euronews:
Esta reforma constitucional vai acelerar o processo de negociação com a União Europeia? Na realidade, parecem existir problemas com as reformas a implementar e Bruxelas recorda-o constantemente…

E. Bağış:
Não me parece que haja uma desaceleração nas reformas levadas a cabo na Turquia. Mas nenhum país candidato teve de fazer face às dificuldades que a Turquia enfrenta nestas negociações. Nenhum país viu mais de metade dos capítulos bloqueados por razões políticas que nada têm a ver com o conteúdo. Penso que a determinação do povo turco, expressa através deste referendo, vai ser compreendida de forma clara nos meios europeus, sobretudo, pelas personalidades políticas que queriam atrasar o processo.

A data de 12 de Setembro de 2010 marca uma viragem histórica no processo de negociação, tal como Espanha, Grécia ou Portugal que, depois de terem adoptado uma Constituição civil, viram as negociações acelerar de repente. Creio também que, se a Europa não aplicar uma política de dois pesos duas medidas, a mensagem clara de ontem do povo turco será uma viragem no processo de adesão à UE. Agora, as sondagens realizadas na Turquia, em relação à União Europeia, mostram que 60% da opinião pública apoia a adesão e isso reflectiu-se no apoio a esta reforma constitucional. Isto mostra que na Turquia a grande maioria da população apoia e acredita na adesão à UE e neste pacote de reformas.