Última hora

Última hora

Rafael Nadal: no topo do mundo

Em leitura:

Rafael Nadal: no topo do mundo

Tamanho do texto Aa Aa

Aos 24 anos Rafael Nadal atingiu o topo do mundo, depois de conquistar em Flushing Meadows o único Grand Slam que lhe faltava no palmarés. O tenista espanhol impôs-se ao sérvio Novak Djokovic pelos parciais 6-4, 5-7, 6-4 e 6-2 numa final que foi várias vezes interrompida devido à chuva que se abateu sobre Nova Iorque.
 
Um triunfo que Nadal julgava impossível a avaliar pelas suas palavras: “Trabalhei toda a minha vida, mesmo nos momentos mais difíceis, para estar aqui… mas nunca imaginei vencer os quatro Grand Slams.”
 
O número um do mundo juntou o triunfo no Open dos Estados Unidos às cinco vitórias em Roland Garros, duas em Wimbledon e uma na Austrália para um total de nove títulos de Grand Slam. Ainda longe dos dezasseis do recordista Roger Federer.
 
Para Nadal ainda existem demasiados títulos a separar os dois rivais, pelo que reconhece humildemente a superioridade do suíço.
 
“Ainda me faltam muitos títulos, por isso não há dúvidas a esse respeito. Seguramente que estou muito feliz com os torneios que já venci.
 
A discussão em torno de quem é melhor ou pior, eu ou o Roger, é estúpida. Os títulos conquistados dizem que ele é muito melhor que eu, é essa a verdade neste momento… e penso que será verdade toda a minha vida.”
 
O maiorquino pode agora descansar à vontade, mesmo que não participe em mais nenhum torneio, tem garantido o primeiro lugar do ranking mundial até final do ano.
 
Rafael Nadal tornou-se no sétimo tenista a conquistar o Grand Slam de carreira desde que Fred Perry entrou para a história em 1935 ao vencer os quatro torneios mais prestigiados do circuito.
 
Uma proeza entretanto repetida por Don Budge, Roy Emerson, Rod Laver, o primeiro e único a vencer os quatro no mesmo ano e logo por duas vezes (1962 e 1969), Andre Agassi e precisamente Roger Federer.
 
Aconteça o que acontecer, Nadal já tem lugar garantido nos livros de história.