Última hora

Última hora

Voo livre: Taça Ícaro apresenta novidades

Em leitura:

Voo livre: Taça Ícaro apresenta novidades

Tamanho do texto Aa Aa

É o ponto de encontro internacional para os amantes do voo livre, a Taça Ícaro que decorre nos Alpes franceses, bem perto de Grenoble. A ocasião ideal para os amantes da modalidade se colocarem a par de todas as novidades no sector, todas as pequenas ajudas que colocam o homem cada vez mais próximo dos pássaros.

Fred Fugen, tricampeão mundial de voo livre, é um dos entusiastas das novas tecnologias, particularmente do wingsuit: “É como se fizéssemos do nosso corpo um avião mas sem motor, usamos apenas a gravidade. O fato reduz a nossa velocidade de queda. Sem wingsuit atingimos os 200 km/h, assim não passamos dos 80 km/h de velocidade vertical. Em velocidade horizontal podemos chegar aos 50km/h.”

A grande tendência actual no mundo do voo livre são as mini câmaras. Permitem não só imortalizar momentos únicos, mas também analisar em pormenor os saltos, o que permite uma melhor evolução da modalidade.

É possível encontrar verdadeiras jóias da tecnologia a preços acessíveis, como refere Christophe Mondière, director da CamSports: “Esta câmara pesa 85 gramas, grava em alta definição e tem 90 minutos de autonomia. Liga-se a qualquer computador através de uma entrada USB.”

As novidades também se aplicam aos materiais de voo, cada vez mais leves. É o caso da mini-vela, que surgiu nos últimos anos. Duas vezes mais pequena que um parapente normal, mais fácil de manobrar, mais rápida e confortável.

Jean-Paul Budillon, especialista em paragliding, mostra-se impressionado com a evolução registada: “São velas completamente diferentes e bem mais velozes, que pesam apenas dois quilos. É extraordinário ver um desporto, na sua maturidade, a evoluir em direcções completamente novas.”

As diferentes práticas do voo livre estão em constante evolução. É o caso do voo acrobático ou ainda do voo de longa distância, que permite a certos praticantes estarem até nove horas no ar.

Jean-François Larvoire, praticante de voo de longa distância, confirma esse cenário: “Há uns tempos percorrer 100 quilómetros era excepcional. Actualmente há cada vez mais praticantes que o fazem. Hoje em dia os melhores pilotos da região fazem voos de 200 quilómetros.”

Uma das estrelas da Taça Ícaro foi o primeiro arqueoptérix. O planador mais leve do planeta com apenas 56 quilos. Uma maravilha da tecnologia que se faz valer pela sua polivalência, como refere o seu piloto Philippe Bernard: “Fazemos voo livre, como partimos de qualquer montanha somos independentes. Podemos aterrar um pequeno terreno sem problemas como uma asa delta e aproveitar as correntes térmicas como os parapentes. E ainda nos permite viajar como os planadores. É genial!”

A trigésima sétima edição da Taça Ícaro tem lugar em Saint Hilaire du Touvet até domingo e promete fazer as delícias dos amantes do voo livre com demonstrações extraordinárias que fazem qualquer um mergulhar no fabuloso sonho de Ícaro.