Última hora

Última hora

Ameaça terrorista real obriga Paris a reforçar medidas de segurança

Em leitura:

Ameaça terrorista real obriga Paris a reforçar medidas de segurança

Tamanho do texto Aa Aa

A alegada ameaça terrorista que paira sobre França ganha contornos reais e Paris anunciou um reforço das medidas de segurança.

O ministro do Interior francês, Brice Hortefeux, confirmou que o nível de alerta antiterrorista vai permanecer no vermelho, segundo nível mais elevado depois do escarlate, que só é desencadeado em caso de “ameaça iminente”.

O perito em questões de segurança, Roland Jacquard, considera tratar-se de “uma verdadeira ameaça. Não são apenas conversas em fóruns da internet. São informações muito precisas sobre grupos que receberam instruções para se prepararem com o objectivo de atacarem alvos europeus e a França em particular, por várias razões.”

As suspeitas sobre um possível atentado foram fundamentadas “nas informações de um país amigo com o qual a França trabalha regularmente”, país esse que terá sido a Argélia.

O nível de alerta antiterrorista foi elevado para vermelho na quinta-feira, depois de cinco franceses terem sido sequestrados no norte do Níger, alegadamente por membros da Al-Qaeda do Magrebe Islâmico.

Dois dias antes, a Torre Eiffel e a Gare Saint Michel, em Paris, foram evacuadas no seguimento de ameaças de bomba. A alegada ameaça terrorista que paira sobre França ganha contornos reais e Paris anunciou um reforço da vigilância.

Para além do reforço da vigilância o ministro do Interior francês confirmou que o nível de alerta anti-terrorista vai permanecer no vermelho, segundo nível mais elevado depois do escarlate, que só é desencadeado em caso de “ameaça iminente”.

O perito em questões de segurança, Roland Jacquard, considera tratar-se de “uma verdadeira ameaça. Não são apenas conversas em fóruns da internet. São informações muito precisas sobre grupos que receberam instruções para se prepararem com o objectivo de atacarem alvos europeus e a França em particular, por várias razões.”