Última hora

Última hora

Dia D para Lewis

Em leitura:

Dia D para Lewis

Tamanho do texto Aa Aa

Pela primeira vez em quase 100 anos o Estado da Virgínia prepara-se para executar uma mulher.

Teresa Lewis de 41 anos confessou ter planeado e encomendado a morte do marido e do enteado em 2002.

A defesa, alega que Lewis foi manipulada por um dos homicidas com quem mantinha uma relação amorosa.

Em dois testes de inteligência obteve uma média de 72 pontos. Qualquer resultado abaixo dos 70 é um indício de deficiência mental.

“Ela não é deficiente mental, mas está muito perto disso. E quando alguém a julga é necessário que o faça tendo em conta toda a sua vida e não,apenas, o que aconteceu no pior dia” afirma um advogado de defesa.

Em 2002, o Supremo Tribunal proibiu a execução de deficientes mentais.

A acusação defende que a situação de Lewis é completamente diferente:

“Talvez não seja um génio mas tem, certamente, consciência dos seus violentos actos.”

O duplo homicídio foi encomendado a dois homens.
Um deles – com quem, alegadamente, Lewis mantinha um caso – acabou por se suicidar na prisão. Mas deixou uma carta onde admitia ter manipulado Lewis esperando receber, em troca, dinheiro para financiar um negócio de droga.

A defesa queima os últimos cartuchos junto do Governador. A execução, por injecção letal, está marcada para as nove da noite, hora local.