Última hora

Última hora

Ministros da Agricultura da UE infligem revés à Comissão

Em leitura:

Ministros da Agricultura da UE infligem revés à Comissão

Tamanho do texto Aa Aa

Os organismos geneticamente modificados (OGM) conseguiram colocar os ministros da Agricultura dos Vinte e Sete de acordo. A maioria disse não à proposta da Comissão Europeia de “renacionalizar” as decisões sobre a cultura dos OGM’s.

Um revés para o defensor da proposta, John Dalli. Mesmo assim, o comissário europeu para a Saúde, não se dá por vencido: “Vou resumir numa só palavra: Enfim! As discussões começaram”.

Os ministros europeus da Agricultura, incluindo de países favoráveis aos OGM’s, deixaram de lado as tradicionais divergências e, esta segunda-feira, disseram que a proposta é um ataque à Política Agrícola Comum e ao mercado interno.

O representante italiano afirmou: “Seria ridículo não ter uma posição comum sobre um tema tão importante. Seria demasiado fácil legislarmos em pormenor sobre algumas produções e depois, quando as discussões se tornassem difíceis, cada um decidir o que quer fazer”.

Bruxelas quer deixar nas mãos dos países o poder de autorizar ou não a cultura dos OGM’s.

Para a Greenpeace a proposta esqueceu as questões de segurança, tais como a contaminação de culturas vizinhas, como foi revelado há dias na Suécia com a batata Amflora: “O verdadeiro problema é a segurança, toda a controvérsia sobre a segurança dos OGM’s. A Comissão deveria ter mostrado que a segurança estava no centro da proposta e garantido que as culturas seguras terminam nas prateleiras dos supermercados”.

A decisão final está agora nas mãos dos ministros europeus do Ambiente, ainda mais reticentes face aos OGM’s.

Mas entre os consumidores reina o fatalismo. Um cliente de um supermercado de Bruxelas afirma: “Temos muitos outros produtos, também agrícolas, por isso é difícil ter uma ideia clara do que é bom ou não”. Outro acrescenta: “Se gostaria de ter OGM’s no prato? Não creio ter escolha. As empresas são demasiado poderosas para que possamos escolher e os desafios financeiros são demasiado importantes”.