Última hora

Última hora

Quem quer eliminar o presidente do Equador?

Em leitura:

Quem quer eliminar o presidente do Equador?

Tamanho do texto Aa Aa

Depois da tentativa de golpe de estado no país, o chefe de Estado desafia os golpistas:  “Se quiserem matar-me estou aqui. Matem o nosso sistema de Saúde, matem os nossos valores e a luta pela liberdade, nós vamos continuar a nossa política pela justiça e dignidade”. 
Da varanda do palácio presidencial, em Quito, Rafael Correa chamou «desequilibrados» aos que tentaram o golpe denunciando a implicação de próximos do antigo presidente, Lucio Gutierrez.
 
Reeleito em Abril de 2009 Correa mantém a sua proximidade às classes populares tendo sido, em 30 anos, o único chefe de Estado equatoriano a ser escolhido na primeira volta das eleições presidenciais. 
 
O país é o quinto maior produtor mundial de petróleo, com uma extracção de 500 mil barris por dia e o governo quer agora nacionalizar a produção. 
 
Até Novembro, o presidente quer substituir os contratos atuais, que prevêem a repartição dos lucros do petróleo entre as empresas privadas e o governo, por outros em que o Estado será proprietário de toda a produção.
 
Uma política que lhe tem permitido angariar popularidade junto das camadas mais pobres mas que lhe trouxe tembém muito inimigos